terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Bons sinais da Flórida

Boas notícias para Obama. Nas sondagens do Estado da Flórida, o candidato Democrata aparece, actualmente, como o mais forte, perante qualquer adversário Republicano, de acordo com as sondagens.

A Flórida é um dos swing States e, por isso, relevante. Afinal, há marcas que nunca se esquecem e foi, em 2000, com a derrota de Al Gore, na Flórida, que George W. Bush ganhou a presidência.
CMC

Cinco pontos a saber logo à noite

Quando a vitória de Romney parece certa, a Politico refere que há cinco pontos a reter logo à noite:

1) Mitt’s margin

2) Newt and women

3) Hispanic Republicans

4) The Panhandle and Northeast Florida

5) Rick Santorum’s performance

Se Romney ganhar com mais de 10 pontos de diferença, poder-se-á considerar esta corrida Republicana como terminada? Provavelmente!
CMC

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

A campanha suja continua


Até há poucos dias, Romney nunca tinha feito ataques directos aos seus oponentes internos, eis que a Carolina do Sul, que lhe impôs uma pesada derrota, fez com que o ex-Governador do  Massachusetts saísse da toca.

Os ataques de Gingrich fez com que Romney passasse a adoptar uma táctica semelhante à dos seus adversários. E parece que estes ataques, como este spot, estão a render-lhe votos, pois Romney retoma a liderança das sondagens na Flórida.
CMC

Jeb Bush mantém-se neutro

Former Fla. Gov. Jeb Bush remains neutral in race

Jeb Bush continua neutral, apesar de Romney querer discutir com o antigo Governador da Flórida vários pontos. Será que Jeb Bush se está a guardar para 2016, como Marc Rubio?

Parece que nas próximas presidenciais não faltarão candidatos Republicanos da Flórida.
CMC

domingo, 29 de janeiro de 2012

Cain apoia Gingrich




Com Newt Gingrich em queda nas sondagens da Florida e debaixo de ataque de um conjunto de notáveis republicanos que apoiam Romney, este apoio é sem dúvida uma notícia bem-vinda. A apenas dois dias das primárias interrogo-me acerca da sua utilidade, ainda para mais vindo de alguém que suspendeu a sua campanha devido à revelação do seu histórico de infidelidades e de indiscrições sexuais, um tema que mexe com a base republicana. Se juntarmos a isto, a prestação completamente alucinada numa entrevista em que era questionado sobre a Líbia, quase que diria que este apoio foi pensado pelos estrategas de Mitt Romney. Vamos esperar para ver qual o seu verdadeiro impacto.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Objectivo: a Lua



Confesso que por esta não esperava. As primárias republicanas, regra geral, abordam dois grandes grupos de temáticas: as sociais e as fiscais. Todos já estamos acostumados a grandes tiradas sobre a redução do défice, a redução dos impostos, sobre a necessidade de reuduzir a administração ou então sobre a defesa do direito à vida e sobre o combate contra o casamento entre homosexuais. O que não estava à espera era que a lua (sim, ouviram bem) se tornasse o principal tema da campanha republicana. Newt Gingrich tenta apelar aos eleitores da Florida, um estado onde a crise na industria aero-espacial se faz sentir com muita acuidade, mas não tenho a certeza se o próprio estava à espera deste hype.
A lua na campanha... Só na América.

Filipe Ferreira

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Aumenta a confiança na recuperação

More Americans optimistic about economy, new poll finds

Bons sinais para Obama, com o aumento da confiança na recuperação este ano, de acordo com uma sondagem recente.

Esta eleição terá uma preponderante componente económica e os sinais de melhoria são os melhores aliados dos Democratas.
CMC

Em busca da reeleição

Obama, in tour of 5 swing states

Depois de ter feito o discurso no Capitólio, Obama passa, nestes dias, por várias cidades, de cinco Estados decisivos em Novembro.
CMC

2012 State Of The Union Address


O discurso do Estado da União de 2012 centrou-se, sobretudo, na agenda doméstica. Obama está focado na reeleição e este discurso procurou, por um lado, demonstrar os feitos que conseguiu, como gerar empregos, ao mesmo tempo que se demarcou dos candidatos Republicanos, com a tónica na Justiça fiscal.

Este vídeo, do Youtube, está muito bem feito. A par do discurso são apresentados gráficos e dados que documentam o que Obama diz.
CMC

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

We can't wait


Obama começa a prestar contas do seu mandato e nada como um título sintético e objectivo: We Can't Wait, bem típico e propício da língua inglesa, e que faza ligação e o complemento ao: Yes We Can.
CMC

Tudo preparado ao pormenor



A Casa Branca está a fazer uma grande promoção do discurso de Obama.

O vídeo está muito bem feito e mostra o outro lado da cortina. O que Presidente dos EUA dirá é resultado do trabalho de muitos dias, com a participação de dezenas de pessoas, e não de um escrito do dia, até porque o discurs teve várias versões, até ter aquela que se conhecerá dentro de momentos. 

É uma forma inteligente de mostrar um lado pouco conhecido da política, a não ser das séries e filmes. Aqui, são os actores verdadeiros a mostrar o palco e os bastidores onde trabalham.
CMC

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Só Fidel Castro uniu Romney e Gingrich no debate da Flórida

Gingrich and Romney both talked tough about confronting the Cuban regime of Fidel Castro, an appeal to the large Cuban American electorate in Florida.

Os papéis do atacante e defensor, nos debates Republicanos, mudaram, pela primeira vez. Ontem, no debate da NBC, Romney passou ao ataque e procurou danificar a imagem de força, do momento, de Gingrich. Este, que nos anteriores estivera quase sempre ao ataque, por estar na liderança das sondagens, passou à defensiva. Em suma, sinal de como Romney terá de transpirar e arregaçar as mangas, se quiser ganhar, e Gingrich pressente que tem hipóteses de ser o nomeado.

Como o debate decorreu na Flórida, onde há uma grande comunidade cubana e de descendentes, a política dos EUA face ao regime do Fidel foi o único momento em que os principais candidatos Republicanos convergiram, na expectativa de cativar o eleitorado cubano.
CMC

Romney ataca Gingrich


Há uma semana, Romney era o diplomático em pessoa. Centrava o seu discurso no ataque a Obama e poupava a crítica aos seus adversários das primárias.

Bastou uma derrota pesada na Carolina do Sul e a mudança de sondagens na Flórida e Romney deixou de falar de Obama e recorre a uma arma que os seus oponentes internos já empregaram: do insulto. Ontem, antes do debate, comparou Gingrich a uma máquina de ""pinball", procurando transmitir a mensagem de que o seu mais directo adversário já mudou muitas vezes de opinião e posição.
CMC

Gingrich já lidera as sondagens na Flórida


Nada como uma vitória confortável na Carolina do Sul para projectar a candidatura de Newt Gingrich. Em poucos dias, as tendências das sondagens mudaram. As primárias dos Republicanos aumentam de interesse.
CMC

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

O regresso dos Bush?

Não há discurso de Newt Gingrich que Ronald Reagan não seja citado. O apoio dado ao ex Speaker pelo filho adoptivo do antigo Presidente, Michael Reagan, vem reforçar esta causa, de Gingrich se apropriar da herança política de Reagan. Um Presidente ainda muito marcante em várias camadas da população.

Outro dos importantes clans Republicanos, os Bush, que nunca tiveram grandes simpatias, e corre a tese de George H. Bush considera que Gingrich foi um dos contribuintes directos para a sua derrota em 1992, frente a Bill Clinton, não morrem de amores pelo vencedor da primária da Carolina do Sul.

Assim, face à derrota de Romney, que chegou a ter mais de 20 pontos de vantagem na Carolina do Sul, a Flórida surge como um novo campo de importantes decisões. Ganhando Romney, a retoma do caminho das vitórias está assegurada, por que a eleição seguinte é segura, no muito populado por mórmons Estado do Nevada, mas se Romney perder para Gingrich, este afirma a sua candidatura, num dos mais importantes e decisivos Estados, a Flórida, e a candidatura de Romney pode sofrer um rombo inesperado.

É nesta equação, da relevância da Flórida, que a família Bush tem importância, nomeadamente Jeb, ex-Governador do Estado e apontado como um possível Vice de Romney. Jeb está bem visto na Flórida e tem uma capacidade, que Romney não tem, de penetrar no voto hispânico, importante neste Estado (como noutros Estados do Sul), além de ser um nome de peso e que reforça, sem dúvida, a candidatura do ex-Governador do Massachusetts.

Aguarda-se o aparecimento de Jeb, enquanto é evidente a subida de Gingrich.
CMC

domingo, 22 de janeiro de 2012

All bets are off?


O ponto mais forte de Newt Gingrich tem sido a sua capacidade de obter boas prestações nos debates televisivos. Este exemplo terá sido essencial para a sua subida nas sondagens, ultrapassando Romney na ponta final da campanha da Carolina do Sul. Com a sua vitória nas eleições de ontem, a campanha ganhou mesmo um novoo interesse. Será Newt Gingrich capaz de voltar a surpreender Romney na Florida? Se sim, all bets are off!

Filipe Ferreira

O tendão de Aquiles de Romney

Este vídeo, lançado pelos Democratas, é pesado para Romney.

Irá Santorum abdicar para Gingrich?

Ainda falta apurar o resultado final e a CNN receou declarar o vencedor da noite, mas Gingrich tem uma vantagem confortável em relação a Romney, conforme os primeiros números indicam (35% - 26%).

Ainda não se sabe quem fica em terceiro, se Paul ou Santorum, no entanto, num terreno, a priori, favorável para Santorum, o seu resultado está muito distante do resultado que devia obter e se ficar em quarto a derrota é pesada.

Com a vitória de hoje, Gingrich ganha fôlego e adia a decisão de Romney consagrar-se como vencedor. Porém, o resultado de hoje pode contagiar o resultado da Flórida, do próximo dia 31 de Janeiro. Eleição na qual Romney está em vantagem. Porém, nove dias é muito tempo e é precisamente neste período que pode surgir a desistência de Santorum em favor de Gingrich, tal como fez Perry nesta semana. Gingrich pode somar mais uns apoios e continuar a valorizar a sua candidatura, por oposição à de Romney, como a verdadeira candidatura conservadora.

Outro factor a não desconsiderar, nos próximos dias, é a campanha na Flórida, na qual pode surgir Jeb Bush, ex-Governador deste Estado, que começa a ser referido como um nome forte para a dupla com Romney frente a Obama.

Certo, para já, é o recuperar de fôlego de Gingrich e o animar de uma corrida que parecia acabar hoje, caso Romney ganhasse a Carolina do Sul.
CMC

sábado, 21 de janeiro de 2012

Obama fala do Estado da União 3 dias antes do discurso


Não é normal, nas vésperas do Presidente dos EUA proferir o seu discurso do Estado da União, o inquilino-mor da Casa Branca levantar o véu acerca das sua palavras, apesar dos conteúdos a abordar serem conhecidos, tendo em consideração a conjuntura do momento.

Porém, este não é um ano qualquer, é ano de eleições, e o discurso da próxima terça-feira bem pode ser considerado como o arranque da corrida de Obama, que nesta mensagem de vídeo já deixou bem claro haver dois caminhos, entenda-se: o dos Republicanos, com menos oportunidades e injustiça, e o dos Democratas, com a construção de uma economia que funcione para todos.
CMC

Chuck Norris regressa à arena política


Há quatro anos, Chuck Norris foi um acérrimo apoiante de Mike Huckabee, que este ano tem dado alguns sinais de apoiar Santorum.

Todavia, o antigo Ranger do Texas não segue o seu candidato de 2008 e este ano, e dado o sentido de voto dado pelo seu amigo Rick Perry, que desistiu esta semana da corrida à Casa Branca, o actor acaba por manifestar apoio a Gingrich. Sempre pode gerar mais uns votos para o ex-Speaker.
CMC

Sondagem Carolina do Sul: Gingrich à frente de Romney



Nesta recta final parece que os ataques de Gingrich a Romney surtiram efeito. A vantagem que Romney detinha ainda pouco tempo atrás esfumou-se e agora é Gingrich que parece estar na frente. Independentemente do resultado da Carolina do Sul ainda acredito que Romney será o nomeado republicano que irá defrontar Obama, mas a confirmar-se a sua derrota neste estado do Sul, a luta será muito mais longa e dura, perdendo os republicanos meses essenciais enquanto os democratas se concentram na promoção de Obama.

Filipe Ferreira

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Obama começa a prestar contas

A campanha de Obama começa a dar os primeiros sinais e nada como começar com metas propostas e concretizadas no mandato 2008/2012.
CMC

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Afinal Santorum ganhou o Iowa



Former senator Rick Santorum (Pa.) won the Iowa caucuses Thursday — 16 days after the last vote was cast — when the state Republican party said a final count showed him 34 votes ahead of former Massachusetts governor Mitt Romney.

Contados os votos, Santorum ganhou no Iowa e não Romney, como anunciado na madrugada do caucus.

O que podia ser um impulso para o antigo Senador da Pensilvânia torna-se uma vitória amarga. O dinamismo de Romney, mesmo com a correcção do resultado, está instalado. E o tal triunfo, inexistente, no Iowa, foi um grande trampolim para Romney.

Um caso pequeno, mas determinante na corrida Republicana.
CMC

Perry desiste, última oportunidade de derrotar Romney


Como se previa, Rick Perry desistiu da corrida.

Se nas eleições de 2008 Rudolph Giuliani era o hiper-favorito que desperdiçou a nomeação por uma estratégia errada, em 2012, não tendo o mesmo peso de Giuliani, Perry, quando surgiu, era o candidato mais forte. E, verdade se diga, se tivesse feito uma campanha inteligente, Perry ganhava, pelo menos, a nomeação Republicana. Sinal de como não compreendeu nada dos erros de Giuliani.

Perry demonstrou, cedo, as suas limitações e confundiu a disputa nacional com uma corrida a Governador do Texas.

Sai de cena, sem honra nem glória. Candidato fraco, muito fraco, neste momento, na disputa Republicana, limita-se a batalhar para Romney não ganhar e, fazendo uma leitura acertada, Perry sabe que se Romney ganhar na Carolina do Sul obtém a nomeação. Assim, nada como a derradeira tentativa de salvar a corrida e procurar adiar a decisão por mais uns tempos, dando o apoio a Gingrich.
CMC

Sarah Palin diz em quem votaria...




... se fosse da Carolina do Sul.
CMC

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Dislates inadmissíveis

Rick Perry: Turkey is being ruled by what many perceive to be Islamic terrorists

Felizmente, Perry já é um candidato fora da corrida. Estas declarações são totalmente irresponsáveis e negativas para os EUA, a Turquia e a NATO.

Ser candidato à Casa Branca requer responsabilidade e decência, desde logo para com o Estado norte-americano. Algo que Perry desdenhou. A Turquia é firme e indispensável aliado dos EUA. Algo que convém não esquecer.
CMC

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Obama e Romney empatados

De acordo com a sondagem mais recente, neste momento, o candidato mais forte dos Republicanos é Mitt Romney, que está praticamente empatado, a nível nacional, com Barack Obama.

No sábado, se ganhar a Carolina do Sul, como tudo indica, Romney consagra-se o opositor de Obama este ano. E depois, salvo algum imprevisto, a economia vai ser decisiva, como foi na eleição de 1992, quando Clinton bateu Bush pai. E Obama não tem a vitória dada por adquirida, como as hostes Democratas já demonstraram ter entendido.
CMC

Romney deixa o círculo conservador pegar fogo




Mitt Romney teve, ontem, um debate que lhe correu de feição, com Gingrich e Santorum a disputar, entre si, os votos conservadores.
CMC

O fim da corrida de Jon Huntsman

O Filipe já destacara a desistência do antigo Governador do Utah e ex-Embaixador norte-americano em Pequim. Mas vale a pena partilhar, aqui, a declaração de Jon Hunstman. Apesar de discordar com as opções, não posso deixar de reconhecer que é uma boa peça política.

Friends –


2012 is the most important election in our lifetime.


After three years of bigger government, higher taxes and more spending, America desperately needs a return to conservative principles: limited government, lower taxes and balanced budgets.


On the campaign trail, I have spoken often about the need to fix not only our nation’s economic deficit, but also our deficit of trust and unity.


America is more divided than ever, and for our nation to move forward together with new leadership and unite, the Republican Party must first unite.


Today I am suspending my campaign and supporting the candidate who is best-equipped to defeat the president and return conservative leadership to the White House: Governor Mitt Romney.


To our many supporters and volunteers, I offer my heartfelt thanks. Mary Kaye and I are equally humbled and amazed at the outpouring of support we’ve received from friends and complete strangers.


Today our campaign for the presidency ends, but our campaign to build a better and brighter America continues.


We will continue to fight for a tax code that unleashes opportunity rather than stifles it; an energy policy that ends our addiction to foreign oil; congressional term limits; education reform that prepares our kids for the 21st Century; and financial reform that protects taxpayers from future bailouts.


Over the last six months, I have seen the best of America. I’ve seen it in the spirit of our entrepreneurs, the courage of our veterans, and the unyielding optimism of our young people. I saw it in China 10,000 miles away, meeting with dissidents who had been tortured and beaten, but who drew strength from our nation's values -- our openness, our freedoms.


Half a world away, they could see America's light. That is the power our country still represents.


I will never stop fighting for America, and I will continue to put her welfare first, ahead of any partisan or special interest.


I am unshaken in my belief that with the right leadership, we can move forward together, and ensure that America’s light shines bright for generations and generations to come.


God bless you, and God bless America.
Jon Huntsman

CMC

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Huntsman desiste a favor de Romney



A clarificação do campo republicano está em marcha. Depois da desistência de Bachman após o Iowa e do apoio dos principais líderes evangélicos a Santorum, eis agora Jon Huntsman. A sua desistência deveria ter sido feita logo após as primárias de New Hampshire, apesar do seu 3º lugar, mas a dura realidade da campanha na Carolina do Sul e a ausência de recursos financeiros fizeram com que esta decisão fosse finalmente tomada. E não se pode negar que vem numa excelente altura para Romney, pois corta o boost mediático de Santorum após o apoio evangélico.

Filipe Ferreira

domingo, 15 de janeiro de 2012

Game changer?



Esta campanha na Carolina do Sul tem sido brutalmente violenta, sucedendo-se os ataques, particularmente entre Gingrich e Romney. Gingrich, fortalecido com um donativo de 5 milhões de dolares, iniciou uma guerra de anúncios negativos contra Romney, colocando em causa o seu passado empresarial. Os ataques foram tão violentos que levaram a que Romney fosse defendido por figuras do GOP tão diferentes ideologicamente como Huckabee, DeMint ou mesmo Giuliani. Esta sondagem sugere que estes ataques talvez tenham ido longe demais, confirmando-se o seu estatuto de frontrunner.
Quando se pensava que a luta poderia ser bipolarizada entre Romney e Gingrich, Santorum recebeu um apoio que pode ser estratégico. Com as vitórias de Romney e os bons números na Carolina do Sul, os principais lideres evangelicos do país decidiram concentrar o seu apoio num candidato conservador que desafiasse o mais moderado Romney. Por uma maioria esmagadora de votos, o escolhido foi o católico Santorum. Será este apoio decisivo?

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

A Carolina do Sul pode ser decisiva

Romney sabe que este é o grande teste da sua corrida. Caso triunfe num terreno muito adverso, a maioria do eleitorado Republicano d Carolina do Sul é afecto ao Tea Party e aos evangélicos, não aprecia o estilo moderado de Romney.

Quem mais tem a ganhar neste terreno, Santorum e Gingrich, vai fazer tudo para Romney perder na Carolina do Sul e assim lançar a corrida. Caso não a ala mais radical e conservadora não consiga impedir, no seu campo eleitoral, a vitória de Romney, este estará mais perto da nomeação.

Até dia 21 vai correr muita campanha suja.
CMC

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Um balão de oxigénio de 5 milhões de dólares

O multimilionário Sheldon Adelson acaba de dar um contributozinho de 5 milhões de dólares à campanha do seu amigo Newt Gingrich, dos quais, 3,4 milhões de dólares estão reservados para a campanha primária da Carolina do Sul, do próximo dia 21 de Janeiro.

Gingrich esteve à beira do sucesso, mas as duas últimas semanas de Dezembro foram fatais para a sua campanha, com o rol sucessivo de notícias acerca da sua vida privada, marcada por vários casamentos.

Agora, numa das últimas oportunidades de renascer, nada como contar com meios que até agora não contava de modo tão confortável.

Duvido que dê nalguma coisa. Mas nada como registar a ajuda de um amigo, para quem, 5 milhões de dólares, não passam de uns trocos.
CMC

Fazer campanha em New Hampshire



Filipe Ferreira 


New Hampshire: mais interessante do que parece

A primária Republicana de hoje não tem o mesmo grau de interesse e emoção da do Iowa. O vencedor é conhecido: Mitt Romney, mas a percentagem de cada candidato não é tão certa. E é nesta incógnita, de quanto valerá cada candidato neste Estado que reside o interesse da eleição de hoje.

Santorum terá um teste importante à sua corrida. Beneficiará ou não da desistência de Bachmann? E o New Hampshire, como Estado moderado, não é terreno amigo do ultra-conservadorismo. Por estas características, Jon Huntsman pode ter hoje um dos dias de consagração da sua candidatura, isto é, ter destaque pelo resultado.

Não menos irrelevante é a percentagem de Ron Paul, que continuará a colher o agrado dos descontentes.

A grande primária e a mais esperada é a próxima, de dia 21, na Carolina do Sul, que pode ajudar a definir melhor a corrida Republicana.
CMC

O caso Bain Capital

Agora que se afirma como o candidato mais forte, o passado de Mitt Romney é vasculhado e os seus adversários, Republicanos e Democratas, escrutinam o seu percurso na empresa Bain Capital. Ao que consta, empresa que provocou desemprego e fez especulação.

O assunto não tem passado de fumo, mas pode contagiar a corrida de Romney. Caso não afecte, e não seja demonstrado nada, ou, ainda, Romney comprove que as acusações de que é alvo nada representam, a sua candidatura sairá reforçada.

Este caso não deixa de ser mais um sinal da força da candidatura do ex-Governador do Massachusetts.
CMC

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Qual o candidato norte-americano que mais interessa à Europa?

Pero hay algo más grave para nosotros: una visión estratégica que considera que Europa ya no es uno de los actores de la historia. En cambio, Romney sigue encarnando la vieja cultura patricia que hunde sus raíces en la costa noreste de EE UU y, por ende, en el Viejo Continente. Apuesto a que Romney prestaría más atención a Europa; a condición de que para entonces esta se hubiera recuperado. Queda claro que, como ciudadanos, podemos desear la reelección de Obama, pero, como europeos, nos interesa que un republicano moderado le suceda.

No artigo hoje publicado no El País, o antigo director do Le Monde lamenta a mudança estratégica de Obama, de fazer da Ásia-Pacífico uma prioridade de Washington, como ficou claro há dias, com a reforma militar que apresentou, que emagrece o investimento, mas tem como prioridade esta área do globo. Já há umas semanas, o Presidente dos EUA promovera uma reunião no Havai, no qual estabeleceu com 21 Estados-parceiros da Oceânia e Ásia, a maior zona de livre comércio do mundo, num claro desafio à China.

Esta opção de Obama é legítima e necessária para os EUA, tendo em vista a alavancagem da sua economia. O que custa a Jean-Marie Colombani, nas suas palavras, é o facto de os EUA não olharem para a Europa com a mesma atenção com que olham actualmente para a Ásia-Pacífico; algo, no entender do jornalista francês, que um candidato Republicano moderado, como Romney, garantirá.

Ora, Colombani, qual sequaz da lógica ego-francesa do mundo, não quer olhar para o estado da Europa e reconhecer que esta mudança de prioridades dos EUA se prende com o que a Europa anda a fazer e o que vale.

Nós, europeus, estamos em decadência e nada fazemos para inverter este rumo. Pelo contrário, tendemos a acelerar e aumentar os nossos problemas. A economia dos EUA precisa de parceiros fortes e em crescendo, como os da Ásia-Pacífico.

E, ao contrário do que diz Colombani, à Europa, dos candidatos em disputa nesta eleição, interessa bem mais Obama na Casa Branca do que o tal candidato Republicano moderado, pois, como já se percebeu, Romney está exclusivamente centrado nos EUA e esta agenda exclusivamente nacional, como sempre, é prejudicial para a América, pois tende a desconsiderar a dinâmica internacional, cada vez mais preponderante no crescimento de qualquer país.

Mas se dúvidas existem quanto ao interesse do candidato para a Europa, esta frase de Romney diz tudo: Romney says U.S. won't give a dollar to save Europe.
CMC

New Hampshire: Sondagem dá Romney à frente com 35%



domingo, 8 de janeiro de 2012

Debate New Hampshire ABC/Yahoo: Romney all the way!



Mitt Romney deve ser mesmo um homem com sorte. Após uma inesperada vitória num estdo ultra-conservador, e depois de uma semana em que foi alvo de forte escrutínio por parte dos outros candidatos, esperava-se um debate em que este tivesse de resistir a ataques vindos de todas as direcções. O que aconteceu foi uma história totalmente diferente. Desde o início que Romney passou entre os pingos da chuva, limitando-se a observar os seus adversários a degladiarem-se entre si, especialmente Paul e Gingrich. Sem dúvida que estes ataques deram bons momentos televisivos, especialmente a parte da experiência militar, em que Paul conseguiu uma forte ovação do público. Santorum e Huntsman ainda tentaram atacar Romney com o seu passado no sector privado e como governador, mas não passaram disso mesmo... de tentativas.
Quando se entrou na segunda parte do debate, em que as questões sociais estavam em discussão, os entrevistadores cometeram um erro. Carregaram em força contra Romney numa questão em que todos estavam de acordo e sob a liderança de Gingrich, os candidatos cavalgaram a onda da diferença de tratamento por parte dos media em relação aos republicanos e em relação a assuntos religiosos. Perry chegou mesmo a dizer que Obama tinha começado uma guerra contra a religião nos EUA. Quando se falou na política externa cedo se comprovou que os holofotes estavam em cima de Paul, que tem ideias muito diferentes dos seus parceiros republicanos. As suas ideis de redução do Estado, e em particular das forças armadas foram dizimadas pelos restantes candidatos. Já Perry, em mais um momento que irá ser gozado até à exaustão pelos comediantes americanos,  defendeu a volta dos militares dos EUA ao Iraque! Perry no seu melhor...
Muito ainda se poderia dizer, mas este debate correu muito bem para Romney, que não precisou de se debater com grandes ataques, deixando-o assim livre para discorrer com tranquilidade sobre as principais ideias da sua campanha: economia, economia e economia.
O debate de hoje será necessariamente muito diferente e Romney deverá ser o principal alvo de todos. A sorte não pode durar para sempre.

Filipe Ferreira

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Elites do GOP apoiam Romney




Umas eleições presidenciais norte-americanas, para álem da personalidade e CV dos candidatos, depende muito da estratégia, da organização e do financiamento. Neste campo Mitt Romney está muito à frente de qualquer outro candidato. Com a experiência de 2008, Romney preparou-se desde muito cedo para uma campanha longa, onde o financiamento e a organização seriam as chaves fundamentais para o seu sucesso. Aparentemente esta também é a opinião das elites do GOP. Neste cenário, e embora Santorum esteja a recolher muito apoio dos sectores mais conservadores, parece-me muito difícil que Romney não seja a escolha republicana para derrotar Obama.

Filipe Ferreira

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Bachmann não resiste ao primeiro teste


Michele Bachmann é a primeira a saltar da corrida, depois de perceber o parco apoio que recebeu no Iowa.

Manter e fazer uma campanha sai caro e é muito desgastante, e Bachmann já se deu a conhecer. Foi bem sucedida, pois há poucos meses chegou a ser a favorita, porém, a hora decisiva foi fatal para uma candidatura que apresentou muitas fragilidades. A saída, há dias, nas vésperas da primeira primária, de um importante conselheiro de Bachmann para a campanha de Ron Paul, foi uma das estocadas finais do sonho desta fundadora do Tea Party.

A saída de Bachmann será do agrado de Rick Santorum, pois recolherá mais uns apoios ultra-conservadores e tea-partistas.

Veremos quem é o senhor que segue as pisadas de Bachmann e quase que aposto que Rick Perry e/ou Newt Gingrich será(ão) o(s) próximo(s) a apresentar desistência.
CMC

McCain apoia Romney?



O Political Ticker da CNN acaba de anunciar que uma fonte próxima de McCain confirmou o apoio deste a Mitt Romney no New Hampshire nos próximos dias. Este estado, muito mais moderado que o Iowa, é liderado nas sondagens confortavelmente por Romney, mas este apoio é extremamente relevante pelo seu impacto nacional. Apesar da influência e impacto da figura de McCain, este apoio pode ter um efeito perverso para Romney que é o da união do eleitorado mais conservador contra si. Se Perry desisitir como já se espera, isso pode levar a uma concentração em Santorum ou em Gingrich. A divisão do lado mais conservador era essencial para a estratégia de Romney...

Filipe Ferreira

Romney só obteve mais 66 votos

O mais importante era ganhar e Romney passou o teste do Iowa. Porém, este Estado não parece ter grandes sorrisos para o vencedor.

Comparando os votos recebido ontem e os de 2008, Romney só cativou mais 66 eleitores. Muito fraco, para quem aspira chegar à Casa Branca, e num Estado chave para decidir a eleição.

Acaba por ser um sinal da fragilidade da sua candidatura, que está longe de aquecer as hostes Republicanas.
CMC

Importante vitória de Romney no Iowa


A projecção da CNN, que dava a disputa entre Romney e Paul, falhou, pois acabou por ser Santurom o candidato que discutiu a vitória no Iowa com o antigo Governador do Massachusetts.

Como se pode ver nos gráficos apresentados pelo NYT, Romney ganha graças ao eleitorado urbano (ver size of lead), na capital Des Moines, no qual Santorum não entra tão bem como Ron Paul.

O efeito evangélico/Huckabee fez-se sentir e a surpresa, prevista no dia de ontem, esteve à beira de acontecer. Santorum esteve a 9 escassos votos de triunfar.

Acaba por ser uma vitória importante de Romney, mesmo arrancada a ferros, a uma semana de uma primária no New Hampshire que deverá ganhar sem grandes problemas. O próximo desafio é a Carolina do Sul.
CMC

Romney ganha a Santorum por 8 votos



Filipe Ferreira

Os resultados dos Republicanos no Iowa são bons para Obama

Quando ainda faltam conhecer os resultados finais, mas já há projecções, que dão a vitória a Mitt Romney ou Ron Paul, na casa dos 24%, este resultado é um bom indicador para Obama.

Se notarmos nos resultados de há quatro anos, Romney, o candidato Republicano mais forte, não passou dos 25% dos votos. O mesmo se passará agora, fique em primeiro ou segundo no Iowa. Não andará longe desta valor. Sinal de que não conseguiu cativar mais eleitores de um swing State.

Isto significa que os Republicanos vão ter que batalhar mais do que os Democratas para ganhar este Estado, pois estão em desvantagem.
CMC

4 anos atrás...

1ª previsão CNN- Romney e Paul com 24%.


Empate: Romney e Paul com 24%.

Projecção CNN

Empate entre Romney, Paul e Santorum. A CNN não dá nenhum vencedor. É preciso esperar pela contagem dos votos, uma vez que não é certo quem irá triunfar.

Vale a pena recordar 2000, quando a CNN, a dado momento, dava a vitória certa de Al Gore na Florida, e passadas umas horas, antes de se conhecer as primeiras projecções da costa Oeste, a projecção da Florida caíra.

Perry aposta na Carolina do Sul




Ainda nem existem votos contados e Perry já ataca Romney.

Filipe Ferreira

O quadro do Iowa em 2008

A CNN acaba de apresentar um quadro no qual mostra o resultado das primárias dos Republicanos de 2008. Romney triunfava nas faixas este e, sobretudo, oeste do Estado, mas o centro, onde domina os evangélicos e onde se decide a eleição no Iowa, foi dominado por Huckabee. Veremos como ficará o quadro este ano. Se Santorum e Paul emergem nesta área central.
CMC

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Fazer campanha no Iowa


Bom traabalho do Wasington Post sobre as eleições no Iowa

Filipe Ferreira

E hoje também arranca a primária dos Democratas



Como o Filipe destaca, o Estado do Iowa é um dos mais disputados na eleição presidencial e 2008 foi uma excepção, na vantagem que Obama teve sobre John McCain.

No próximo dia 6 de Novembro, a disputa do Iowa volta a estar em causa e os Democratas sabem que este Estado não representa uma vitória adquirida.

Apesar do destaque do dia ser dos Republicanos, como é natural, os Democratas também começam hoje com a sua primária, na qual apenas Obama é o único concorrente. Porém, estas primárias Democratas estão feitas a pensar exclusivamente em Novembro, ao contrário dos Republicanos, e os partidários de Obama não podem deixar espaço de manobra aos adversários, que apesar de guerrearem entre si não perdem oportunidade de condenar a actual Administração.

Logo, quando conhecermos os resultados das primárias, vale a pena comparar com os resultados de há quatro anos, pois tudo indica que Romney não será capaz de passar os 25% que obteve na anterior eleição, ou seja, o eleitorado será o mesmo. E isto pode significar, caso Romney seja o adversário de Obama, uma vantagem do candidato Democrata neste Estado.

Por outro lado, será que Santorum vai beneficiar do apoio dos anteriores eleitores de Mike Hackabee? O antigo candidato Republicano que tem um destaque no site de Santorum, com uma frase que diz tudo: "I adore Rick Santorum's conviction. " - Governor Mike Huckabee.

Iowa em números


Aqui fica uma infografia do Politico com as flutuações dos candidatos republicanos até Dezembro de 2011, bem como uma comparação com as eleições de 2000, 2004 e 2008.

Filipe Ferreira

5 pontos a reter


Cinco pontos a reter da eleição de hoje e todos relevantes, pois a interligação é evidente. Desde o tempo, que pode influenciar uma má adesão dos potenciais partidários de Santorum, a que percentagem obterá Romney, a quem fica em quarto lugar e que esperanças pode ter para o resto da corrida.

Os primeiros Estados costumam ser decisivos. E New Hampshire e Carolina do Sul já surgem no horizonte. Hoje acaba o desafio Iowa.
CMC

Nervos à flor da pele

A página de abertura do The Huffington Post revela os nervos de vários candidatos, excepto o de Romney, que procura escapar aos insultos gratuitos.

Ficam as palavras:

NEWT UNLOADS: ROMNEY A LIAR

CAUCUS DAY: Polls Give Romney Narrow Iowa Lead... Romney Goes Bold: 'We're Going To Win This Thing'... Santorum Attacks: 'Ron Paul Is Disgusting'... Latest Iowa Updates
CMC

Começou o aproveitamento e projecção de Thatcher


Só Michele Bachmann podia fazer do esperado filme biográfico da Dama de Ferro, interpretado por Meryl Streep, um aliado de campanha, tentando colar a sua imagem à da antiga Primeira-Ministra britânica.

Tal como Thatcher, Bachmann é conservadora e é mulher. Em termos eleitorais, nestas primárias, de pouco valerá esta colagem, mas em termos políticos é o destaque de um filme que deve marcar o ano e ser um fôlego para a alma conservadora.
CMC

Mitt Romney: Gestão de expectativas




Como o Carlos Manuel Castro já tinha salientado, esta recta final para os caucases do Iowa está a ser marcada pela ascenção de Rick Santorum, captando votos dos sectores mais conservadores e embora seja católico, foi apoiado por alguns dos líderes evangélicos mais importantes deste estado. Mitt Romney, dado como um dos favoritos em 2008, perdeu então para uma das referências conservadoras, Mike Huckabee. Esse golpe foi fatal para a sua campanha, dado o seu empenho no Iowa. Agora, em 2012 a estratégia tem sido a oposta. Desvalorizar, desvalorizar e ainda desvalorizar têm sido as palavras chave dos estrategas de Romney. Embora de uma forma imprevisivel Romney tenha assumido a liderança nalgumas sondagens no Iowa, este estado é muito conservador e potencialmente hostil à sua mensagem mais moderada, daí que este esteja a fazer de tudo para baixar as expectativas. Romney sabe que o combate pela nomeação republicana vai ser longo e duro...

Filipe Ferreira

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

A um dia: Romney, Paul e Santorum estão empatados

The latest poll of Iowa's likely Republican caucus-goers provides more evidence of a race headed toward a photo finish, with Ron Paul, Mitt Romney and a surging Rick Santorum running within two percentage points of each other.

A emoção não falta e está a tornar estas primárias, fracas em candidatos, animada na indefinição do resultado.

Na véspera do caucus do Iowa a surpresa Rick Santorum confirma-se. O antigo Senador da Pensilvânia está praticamente empatado com Romney e Paul. A actuação da Igreja Evangélica, de apoio a Santorum, tem sido decisiva nesta subida.

Veremos, amanhã à noite, quem ganhará a primeira eleição, sendo certo que um bom resultado para Santorum dar-lhe-á muito mais oxigénio para o resto da corrida do que Romney ou Paul.
CMC